Arquivo da tag: poeta

HÁ VAGAS!

pencil-918449_1280

Vagar por aí

Vagar pelos ares

Vagar pelos quatro cantos do mundo

Poema que vaga por onde for

Que vague sem ser vago

Que preencha a vaga da alma

Que vaga

Que divaga

Poema que vai

Que volta

E que fica

Poema que faça jus

Que nunca jaz

E que abra vaga

Para sempre ter

E ser

Poeta.

 

João Aranha

13/12/2016

 

Etiquetado ,

Briefing de Poeta

Briefing de publicitário tem metas
Briefing de poeta tem flechas
Briefing de publicitário tem target
Briefing de poeta tem pessoas
Briefing de publicitário tem prazo
Briefing de poeta tem seu tempo
Briefing de publicitário tem formato
Briefing de poeta tem sua forma
Briefing de publicitário tem referência
Briefing de poeta tem consciência
Briefing de publicitário tem foco
Briefing de poeta tem olhar
Briefing de publicitário tem venda
Briefing de poeta é vendado
Briefing de publicitário tem produto ou serviço
Briefing de poeta é servir com seu produto
Briefing de publicitário é conhecer o negócio
No briefing de poeta, o negócio é conhecer
Briefing de publicitário é beber na fonte
No briefing de poeta, a fonte é beber
Briefing de publicitário é tudo igual
Briefing de poeta não há nada igual
Briefing de publicitário tem cor certa
Briefing de poeta tem sua cor
Briefing de publicitário fala o que precisa
Briefing de poeta fala o que sente
Briefing de publicitário precisa ser entendido
Briefing de poeta não precisa entender
Briefing de publicitário é um job
Briefing de poeta não dá trabalho
Briefing de publicitário imita a arte
Briefing de poeta é arte que não imita
Briefing de publicitário paga as contas
Briefing de poeta não há conta que pague
Briefing de publicitário chega de última hora
Briefing de poeta chega na sua hora
Briefing de publicitário tem de ler
Briefing de poeta tende a ser lido
Briefing de publicitário sempre tem erro
Briefing de poeta vive do erro
Briefing de publicitário fica na mesa
Briefing de poeta faz sua mesa
Briefing de publicitário tem de entregar
Briefing de poeta tem de se entregar
Briefing de publicitário tem de ser aprovado
Briefing de poeta tem de aprovar-se
Briefing de publicitário tem entrada e saída
Briefing de poeta a saída é entrar
Briefing de publicitário tem de obedecer
Briefing de poeta tem desobediência
Briefing de publicitário tem de ouvir o cliente
Briefing de poeta tem de ouvir
Apenas
O seu coração.

João Aranha
31/08/2010

Etiquetado , ,

O Poeta

O poeta precisa da dor
Ele precisa sofrer
Ele precisa não ter para ser
O poeta precisa do “não”
Não existe poeta sem dor
Não existe poeta alegre
Pode até existir
Mas aí a poesia é outra
A poesia do poeta é diferente
É inerente
É existente na sua dor
Não existe poeta feliz
Se assim o for
É contemplativo
E assim, válido é
Mas na essência fica a dor
Jaz o amor
Que nele nasceu
E assim faleceu
Poeta sem dor não é poeta
Poeta tem um “quê” de profeta
Raro o poeta que abre a janela
E se assim o fizer, eu entendo
É o seu viver
É o seu vivendo
Poeta não vive de acordes maiores
Mas sim dos menores, dos diminutos
A dor emanada no acorde
E no seu acordar
Brincar com o cinza do céu
Este é o poeta
Que vive e morre todo dia
Que grita, que cala
Que ri, que chora
Que fala, que ouve
Que sente, que goza
O poeta vê beleza onde não tem
O poeta vê a beleza que ninguém vê
E isso basta
Basta para ele
Basta para o seu cerne
Seu cerne desconcertante
Sua calma feliz por fora
Sua alma berrante por dentro
O poeta precisa ver
O poeta precisa ouvir
O poeta precisa cheirar
O poeta precisa falar
O poeta precisa tocar
Em todos os sentidos
Este é o sentido do poeta
Tua vida é teu poema, poeta
Tua azia é tua poesia
Poeta fica na sua
Poeta vive da rua
Poeta é vida dura
Crua e nua
Poeta mora com todos
Mas vive sozinho
No seu coraçãozinho
No seu cantinho
Poeta não é atleta
Só no exercício da dor
De ver flor onde vive odor
Mas o poeta é feliz
É feliz sim
Ele precisa viver do olhar
Do sorriso e do choro
Do gozo e do sexo
Do sem nexo que ele vê
Do perplexo que ele crê
Poeta, você é assim
Vê poesia num capim
Desde o puro começo
Do meio em que vê o meio
Até o clarim que soa no fim
Poeta, o que te falta é nada
E mesmo assim
Seu nada vira tudo
Contudo
Ser poeta
É a sua meta.

João Aranha

17/06/2010

Etiquetado , , , , , , ,

Eu queria escrever um poema…

Eu queria escrever um poema
Um poema que falasse de amor
Ou um poema que falasse de mim
Talvez um poema da minha vida
Ou até um poema sobre o ódio
Mas agora eu não tenho amor
E não quero falar sobre mim
Minha vida não tem poema
Tampouco ódio ou rancor
Eu queria mesmo era escrever um poema
Um poema com maestria
Com louvor ou heresia
Mas não tenho cerne para tal
Nem para o bem, nem para o mal
Teria até escolhido algum tema
Mas continuo no meu dilema
De ainda não conseguir
Escrever o meu poema.

João Aranha

12/03/2010

(14 de março – Dia Nacional da Poesia)

Etiquetado , , , , ,

O Poeta sem Poesia

O poeta escreve sozinho
O poeta escreve para si
Escreve para o seu eu
Expressa sua palavra
Empresta sua letra
Jorra no papel
Seu lugar ao céu
Exprime seu amor
Sua alegria
Seu temor
Sua delicadeza
Seu odor
Quando falta tema
Teima em tê-lo
Colecionador de selos
Femininos
Grudados na boca
Fincados na memória
Poeta é poeta
No fogo, no gelo
E mesmo que não saiba sê-lo
Tem zelo
Pela sua obra
Pelo fervor
Faz da febre sua escrita
Que grita, que chora
Põe pra fora
O que ninguém entende
O que ninguém sente
O que ninguém vê
Jaz sozinho na cama aflita
Na mesa feia
De madeira bonita
Acende a vela
Mas não revela
Guarda para si
O seu tormento
O seu sustento
Poeta precisa de poesia
Poesia nasce de um poeta
Profeta
Profere
Numa rima que não ri
Só rima
Só ri
E só, ele ri
Vive, escreve
Da ponta do lápis
É parte vivida
Página rasgada
Apagada ou bem escrita
Uma vida
Por vezes pública
Por vezes pudica
Poeta que sempre implica
Com as vidas vazias de outrora
De outrem
Corações ocos peturbam o poeta
Ele quer mais
Quer viver depois da tinta
Ir além do papiro
Além do respiro
Da alma
Da alfa, da beta
Ele precisa do rancor
Que explique a saudade
Não importa a velha idade
Nem a que tem frescor
Poeta nasce triste
Mas vive bem
O insensível não compreende
Só vende o seu bolor
Descansa o poeta
Que sente amor
Regurgita dor
Louva o torpor descabido
Ou a singela libido
Faz-se da alma dos outros
Traz pra si o alheio calor
Não precisa ter mulheres
Só precisa das suas
Olhá-las sacia sua fome
Não importam os sobrenomes
Mas sim, seus nomes
Pobre poeta
Dorme tranquilo
Acabou o nanquim
Fechou o botequim
E aquela manequim
Não sabe de ti
Basta sua ciência
Sem consciência
Torna-se vivo
Distraído
Feliz e entorpecido
Na ausência de um amor
Mas para que escrevas
Meu caro poeta
O que lhe falta
É sua dor.

João Aranha

17/11/2009

Etiquetado , ,