EDUARDO E MORO

Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas por essa nação? E quem irá dizer que não existe razão?

Eduardo abriu os cofres, mas não quis se entregar, ficou calado e viu que horas eram, enquanto Moro aparava o cavanhaque no outro canto da cidade como eles disseram

Eduardo e Moro um dia se encontraram sem querer e conversaram muito mesmo pra tentar se esquecer. Foi um carinha do partido do Eduardo que disse:

– Tem uma treta legal e a gente quer se divertir
– Treta estranha, com gente comunista, eu sou ilegal, não aguento mais propina

E o Moro riu, quis grampear um pouco mais sobre o dim-dim que ele tentava desviar. E o Eduardo, meio sonso, só pensava em ir pra câmara: – Se eu pago duas, eu vou me ferrar

Eduardo e Moro grampearam telefone, depois se confrontaram e decidiram acarear. O Eduardo contratou uma piriguete, mas o Moro queria ver o filme se queimar. Se encontraram então no Parque da Asa Norte, o Moro foi de moto e o Eduardo de Pagero. O Eduardo achou estranho e melhor não declarar, mas o juiz era bem contra os de vermelho

Eduardo e Moro eram nada parecidos, um era do tabelião, outro pagava uns dezesseis. Um vinha da advocacia e estudava o petrolão e ele ainda nas entrelinhas do PMDB. Ele erguia a bandeira, xingava os “do mal”, vândalos, militantes, até Caetano ele xingou. E o Eduardo protelava sua novela e manobrava liminar com aquele senador

Denunciava coisas sobre o Planalto Central, também quadrilha e corrupção. E o Eduardo ainda fazia o seu esquema “Suíça, emenda, Truste e indicação”. E mesmo com tudo decadente, veio mesmo, de repente uma vontade de prender. E os dois se criticavam todo dia e a polícia corria como tinha de ser

Eduardo e Moro fizeram delação, promotoria, CPI e peculato, e foram viajar. O Moro explicava pro Eduardo coisas sobre o réu, a cela e sua conta além mar

Ele aprendeu a romper, deixou a grana crescer e decidiu atrapalhar. E o Moro deflagrou no mesmo mês e rastreou um outro patamar

E os dois se alfinetaram juntos e também brigaram juntos, muitas vezes depois. E todo mundo diz que ele investiga a ex, o vice e o testa, ninguém dá nome aos bois

Construíram um sítio uns dois anos atrás, mais ou menos quando os presos vieram. Descobriram a grana e seguraram o ilegal, a barra mais pesada que tiveram

Eduardo e Moro voltaram pra Brasília e aquela inimizade ainda piora no saguão. Só que nessas férias não vão viajar, porque a mulher do Eduardo correu pra liquidação

E quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas por essa nação? E quem irá dizer que não existe razão?

João Aranha

20/10/2016

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: