Arquivo da tag: casa

ONDE FICA A SANTA CASA?

santa casa

Semana passada, após deixar a filha na escolinha e indo ao trabalho pelo trajeto embaixo do Minhocão, um casal de idosos me parou perguntando onde ficava a Santa Casa. Eu, com a cabeça recheada de preocupações diversas, parei para olhar ao redor, afinal, como estava bem próximo dali e justamente este cidadão aqui passou o último fim de semana no recinto citado, estava bem fácil de indicar. Confiante, falei:

– Os senhores pegam esta rua aqui, a rua Santa Isabel, esta aqui atrás, virem à esquerda que sai direto na Santa Casa, cai bem em frente.

O simpático casal de velhinhos agradeceu e segui o seu certeiro destino. Continuei a caminhar me sentindo aliviado por ajudar, pois se eu não fosse publicitário e ator, eu trabalharia em balcão de informações ou seria taxista, pois gosto de informar caminhos para quem não sabe, ainda mais porque respeito e tenho apreço por velhinhos fofinhos, ainda mais quando estão vulneráveis na busca de algum remédio ou um lugar para se tratar de algo que eu não faço ideia. Então, no meu pensamento de ser humano realizado em ter feito a boa ação do dia, pensei sozinho de como era bom informar certinho o lugar que queriam saber, e bom saber que a indicação era fácil, era só seguir a rua Santa Isabel à esquerda e seguir ret… CARALHO!!! JOÃO, SEU IDIOTA!!! NÃO É PRA ESQUERDA, É PRA DIREITA, ELES VÃO PARAR NA PRAÇA DA REPÚBLICA, E LÁ NÃO TEM SANTA CASA, MUITO MENOS SANTA!!! E lá vai este ser desesperado correndo e já suando num frio de 16 graus pra alcançar o famigerado casal de avançada idade que já tinha sumido do mapa. Dobrei a esquina naquele sentido indicado – e bem errado – e cheguei como se estivesse sofrendo um infarto do miocárdio ali mesmo, quando disse:

– Desculpem!!! Me desculpem!!! Falei errado! É no outro sentido… É a mesma rua, mas para a direita! Me desculpem, confundi…

Os idosos agradeceram e sorriram aliviados dizendo que não conheciam nada dali. Pedi que me acompanhassem, pois eu voltaria até à mesma esquina com eles e continuei:

– É ali! Só atravessar essa avenida e seguir essa rua. Estão vendo as árvores ali? É bem em frente à Santa Casa, logo ali.

Agradeceram novamente e seguiram o destino. E eu, no frio de 16 graus, parecia suar em um pós-febre de 41 graus, mas senti um alívio em consertar meu erro e pensar que os velhinhos queridos estavam a salvo.

Moral da história I: não importa se é esquerda ou direita, ajude quem precisa.

Moral da história II: não siga seu caminho certo após indicar o caminho errado, volte pelo mesmo caminho anterior, entre no caminho errado, indique o caminho certo e siga o seu caminho.

Moral da história III: evite se preocupar para não preocupar os outros.

 

João Aranha

10/05/2016

Anúncios
Etiquetado , , , ,

160

É, você foi embora
Justo você, casa
Na realidade, não foi você
Fomos nós
Nós que saímos
Passaram-se 40 anos
Pouco mais de 40 anos
E eu, parti antes
Nos meus 32 anos
Se ainda estivesse com você
E em você
Seriam 37 anos
Quase 38
Uma vida, minha casa
Uma vida
Minha vida
Em você cresci
Me desenvolvi
Aprendi
Chorei
Sofri
Mas sorri
E ri, ri muito
Eu e todos da família
Família de nosferatus
Família que sempre
Sempre dormiu tarde
Talvez eu seja o mais abusado
Mas todos, sem dúvida
E sem exagero
Éramos notívagos
Éramos 7
Você sabe bem, casa
Sabe como ninguém
E mais que qualquer um
Suas paredes têm ouvidos
Olhos, boca, coração e alma
Memória
Memória que guardou minhas dores
Meus amores
Que sentiu os odores das flores da minha mãe
Que viu o futebol com o meu pai
Que viu as bonecas das minhas irmãs
Que viu meus carrinhos de ferro
E meus primeiros acordes no violão
Depois na guitarra
E depois o som do piano na sala
E bem depois
Os latidos do meu cachorro
Você nos acolheu desde então
Esteve presente em nossas vidas
Em todas as condições e situações
Momentos
Todos eles
Menos no meu primeiro beijo
Nem na minha primeira vez
Mas você estava lá
Me ouvindo, me acolhendo
Você estava lá, casa
Conheceu pessoas
Conheceu meus amigos
Namoradas, ficantes
Colegas, parentes e visitantes
Muitas pessoas passaram por lá
Muitas frequentavam
Diversas dormiram
Diversas doenças também
Mas diversas gargalhadas
Só você pra aguentar, né?
Você era forte
Aconchegante
Sempre quentinha
Várias vezes deu problema
Mas a gente estava lá
Consertando, remendando
Afinal, a gente gostava de você
E você gostava da gente
E ainda gostamos de você
E você da gente
Mas a vida muda
E a sua também
Fomos embora
Eu fui o último a sair
Passei por todos os seus cômodos
Todos antes de sair
Me apertava o coração
De ter ver pela última vez
O choro já havia cessado
Mas quando a olhei pela última vez
Quando passei a última volta
A última volta do último fechar da porta
As lágrimas caíram novamente
Enquanto te agradecia baixinho dizendo adeus
Te agradeci pelo que vivi
Pelos quatro cantos
Pelos prantos e encantos
Eu fui, nós fomos
Você ainda está lá
Não sei por quanto tempo
Mas estará sempre lá
Em nossos corações, em nossas almas
Sempre nossa
Pode parecer uma bobagem escrever pra ti
Não somos materialistas
Nem eu sou
Mas você, casa
Materializou nossos desejos
Nossos sonhos
Uma construção que construiu a gente
Saudades casa, saudades…
Você foi e sempre será
Nosso lar, doce lar
E o povo?
Partiu para outra
Menorzinha, mas bonitinha
E eu, já tinha partido
Partido para um espaço menor ainda
Partido com coração partido
Estamos partindo para outra história
Mas tudo bem
Você estará com a gente
Sempre
Fique com Deus
Fique bem
Fique entre Luzitana e Anchieta
Na Major Solon
160.

João Aranha

14/06/2010

Etiquetado , , , ,